terça-feira, 3 de março de 2015

Como descobrimos a A P L V do João Guilherme

Oi, gente querida! Tudo bom com vocês? Hoje vou falar um pouquinho sobre como descobrimos a APLV (alergia à proteína do leite de vaca) do João Guilherme.

Nosso querido, amado e tão esperado filhote começou a sentir cólicas com 14 dias de vida. Mas seu ganho de peso era normal, muito melhor que o esperado. Ele crescia e se desenvolvia super bem para um bebê que nasceu a termo mas com baixo peso por ter entrado em sofrimento fetal em decorrência de eu ter tido oligohidrâmnio no fim da gestação (assunto para outro post).

João Guilherme com 1 mês e meio.
Fiz de tudo para amenizar as cólicas dele. Trocamos a fórmula que ele tomava diversas vezes. Passei a dar banhos de balde (o primeiro ele tinha 15 dias), às vezes mais de um por dia, com água bem morna a 37°C (usava termômetro para não correr o risco de colocar água quente demais) e chá de camomila (fazia um chá bem forte e diluia na água do banho). Deixava ele no balde até dormir e/ou água esfriar.

O que se pensar eu tentei mas nada das cólicas diminuírem... Apelei para homeopatia, chás, alopatia, massagens... 

Toda consulta com a pediatra eram as mesmas reclamações: João Guilherme tem muita, mas muita cólica mesmo, grita de dor a noite toda e madrugada a dentro, ninguém dorme nessa casa, tarará tarará... E o comentário da médica era sempre o mesmo: que sabia que o início era difícil, especialmente para uma mãe de primeira viagem, que alguns bebês sofriam mais com as cólicas que os outros, mas que a boa notícia era que aos três meses passava...

Bom...Chegamos aos três meses e não passou... Daí a pediatra ponderou que a maturação do sistema digestório de alguns bebês demorava mais que em outros e que as cólicas podiam se estender até os cinco meses, sem significar algum problema mais grave. Como ele não apresentava nenhuma outra intercorrência, acreditamos que aos 5 meses tudo mudaria.

João Guilherme com 4 meses.
*** Aí ao lado uma foto do meu gordinho delícia aos 4 meses. Quem poderia dizer que esse bebezão lindo, gostoso, cheiroso, cheio d dobrinhas tinha uma alergia alimentar? (sou mãe coruja SIM! rsrsrs) ***

Continuamos nas noites insones e mega agitadas aguardando ansiosamente a chegada dos benditos 5 meses...

Infelizmente, não foi tão simples assim! João completou 5 meses mas as cólicas continuavam... Na consulta de acompanhamento mensal, muito embora seu crescimento e desenvolvimento continuassem excelentes, a pediatra cogitou a hipótese de APLV. Sugeriu que fizéssemos um teste terapêutico que consistia em substituir  a fórmula que ele tomava à época pela fórmula de aminoácidos extensamente hidrolisada (Neocate). Desesperados pelos cinco meses sem dormir, saímos da consulta direto pra farmácia. Deixamos lá uns 160,00 dinheiros, mais ou menos, e levamos pra casa uma lata de 400g dessa nova fórmula caríssima mas que seria nossa salvação.  

Pelas primeira vez em 5 meses tivemos uma noite que podemos qualificar como tranquila! As cólicas diminuíram drasticamente, ele acordou só umas duas vezes durante a noite... Ow glória!

O próximo passo foi consultar uma gastropediatra. Apesar da grande suspeita, não tínhamos o diagnóstico. Foi uma consulta bem extensa. Ela examinou João Guilherme da cabeça aos pés, conversamos sobre todo o histórico de cólicas sem qualquer outro sintoma aparente e de como as dores praticamente sumiram com a introdução do Neocate.

Ela solicitou exames de sangue para verificar qual tipo de APLV ele apresentava (porque pela análise clínica ele era APLV). Os exames mostraram-se inconclusivos (o que é plenamente comum quando se trata de Ige não mediada - reações alérgicas tardias e predominantemente gastrointestinais).

Com o diagnóstico em mãos, ela nos orientou a entrar no Programa do Leite do Governo do Estado do Ceará, dando o encaminhamento necessário para tal. Depois de 22 dias do diagnóstico, recebi a fórmula gratuitamente (falarei sobre o processo em outro post). Ainda bem, porque João estava numa fase que só tomava mamadeira, então uma lata de Neocate durava somente 48h. Imaginem aí quanto gastamos nesses 22 arcando do bolso o alimento do nosso filho).

Preciso falar que a aceitação da fórmula de aminoácidos foi super difícil! Ele estava acostumado com leitinhos delícia! E o sabor do Neocate é horrível! Mas como não tinha jeito, insistimos, persistimos, jogamos muitas mamadeiras prontas fora, e, após uns 15 dias de muita luta e dinheiro derramado ralo abaixo, deu certo! Ele aceitou!

João Guilherme com 1 ano e 3 meses tomando Neocate.

Encarar um diagnóstico tão restritivo é muito difícil. Chega a ser desesperador! A restrição alimentar é muito grande, especialmente para os alérgicos aos traços de leite (comer na rua, por exemplo, só se levar marmita de casa). Mas estávamos tão exaustos de tantas noites sem dormir e preocupados com o que poderia ser, que ficamos até felizes em finalmente saber o que João Guilherme tinha! Ademais, ser humano é totalmente adaptável! Asseguro a vocês que com o tempo a gente simplesmente acostuma! Afinal, tem coisa infinitamente pior...

Bom, gente querida, essa é a nossa história com a APLV! Espero que tenham gostado! Não deixem de comentar! E qualquer dúvida, crítica ou sugestão serão sempre muito bem vindos!

Xêru grande!

Carol

14 comentários:

  1. Amei, Bem explicativo amiga!!!! Beijos

    ResponderExcluir
  2. Nossa Carol!!! Eu lendo entrei o em desespero!!! Como pode a medica contar os os meses... Que a coisa passa!!! Aiaiiaia!! Que sofrimento!! Mas ainda bem que deu tudo certo!!! Beijao!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi muito difícil mesmo, Li!
      Mas graças a meu bom Deus passamos por isso e agora João está mais perto da cura!
      Xêru

      Excluir
  3. Passei por isso com meu filho de 4 anos e estou passando novamente com o caçula de 3 meses. É cansativo demais...chega a ser angustiante. Graças a Deus meu mais velho se curou com 13 meses. Espero que a cura do mais novo também não demore... beijos, Raquel

    ResponderExcluir
  4. Caramba, se já sofremos no início, imagino como foi no seu caso... principalmente pela médica não dar muita importância aos seus relatos.
    Mas graças a Deus, esse lindão tem uma mãe super especial, que se desdobra pra cuidar bem dele (e tem conseguido com louvor).
    O resultado, é uma menino lindo, inteligente e alegre, curtindo sua infância!
    Seu post serve de exemplo para muitas mães que estão passando por essa mesma situação!
    Parabéns!!!
    Beijos,
    Camila
    www.baudemenino.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Carol, que bom conhecer o seu blog e já participar de um assunto tão atual e que atinge tantas crianças, mais cedo do que se poderia imaginar. Seu filho é lindo demais viu? E que post corajoso ao relatar sua luta para tornar a vida do João, o mais absolutamente normal possível. Parabéns por ser esta mãezona. E que seu texto sirva de exemplo para ajudar outras mamães na mesma situação.

    ResponderExcluir
  6. Nossa Carol, que barra.
    Mas que bom que conseguiu o diagnostico e ajuda necessária para poder continuar a dar este leitinho tão necessário e caro.
    Infelizmente a APLV ainda é feita tardia, eles sofrem tanto com estas cólicas e sofremos todos juntos.
    Bjs
    Vivi e Isaac

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Vou indicar sua história para uma leitora. Sempre chega pessoas no blog pedindo ajuda e eu gosto de mostrar várias experiências.
    Por aqui demoramos muito para descobrir, ou melhor para confirmar, pois eu mesma já havia diagnosticado, já o medico não rsrs

    bjs Lívia

    ResponderExcluir
  9. Caramba Carol!Que situação! Mas nessas horas o diagnostico ao mesmo tempo que nos preocupa nos acalma por saber com o que estamos lidando né?! Parabéns lindona por sempre cuidar tão bem desse loiro fofo!

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Que complicado né, vamos ao médico e nada, acho que eles
    creditam que nós mães nos preocupamos demais, só pode,
    pois com minha mas nova passei por uma situação parecida.
    Sempre acreditei que mãe é tudo até médico
    parabéns por ter usou seu instinto de mãe e tudo
    hoje está indo muito bem.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Olá! Primeira vez aqui conhecendo o blog e sua história, e que história!
    Muita luta para a descoberta do aplv, tenho uma amiga que passou por essa angústia tb, e é tudo muito caro e restritivo, mas como vc falou o ser humano super se adapta!
    E só dele não está mais com as temidas cólicas e enfim se sabe o diagnóstico.
    bjs

    ResponderExcluir